Peter Kogler e a energia das linhas

Peter Kogler é um artista austríaco, nascido em 1959 que transita entre arte e arquitetura, passando às vezes pela moda. Seus trabalhos mais recentes utilizam ilusões de ótica para desenhar tetos, pisos e paredes por meio de linhas que se cruzam em vários sentidos transformando superfícies planas em “tridimensionais”.  A linha como elemento de composição tem uma enorme energia. Segundo Dondis, em Sintaxe da Linguagem Visual, “ela nunca é estática: é o elemento visual inquieto e inquiridor de esboço[…], o meio de se apresentar qualquer coisa que ainda não existe, a não ser na imaginação.” A linha tem sempre um propósito, vai para algum lugar, indica uma direção. Assim também, um conjunto de linhas paralelas sugerem uma determinada superfície. É na variação de espaços entre paralelas que a brincadeira de Kogler toma vida. Antes dele outros, como por exemplo Escher, já haviam explorado recursos ilusórios com linhas e perspectiva, mas o que também torna a obra de Kogler bastante interessante é que ela se instala em espaços urbanos como praças e galerias de metrô. Conheça mais, visitando o site do artista. http://www.kogler.net/ 

Projeto no papel quadriculado

Imaginar estampas é um processo infinitamente livre, porém se você, como eu, tem um interesse por motivos geométricos experimente a delícia de brincar com papel quadriculado. Pode funcionar como meditação, ou como um passa-tempo bem mais interessante do que fuçar abobrinhas no celular. Seu projeto pode ser depois digitalizado e transformado em algo viável. Foi com inspiração em trabalhos de Anni Albers, que citei no post anterior, que eu desenvolvi esta aqui. A pintura com marcadores tipo Copic, estão feitas de forma rápida, já que neste caso se trata de um rascunho. Caso queira fazer um bem caprichado, talvez seja melhor usar lápis de cor macio. O meu caderno comprei no site da Cícero, que tem capas com estampas de vários designers e papel de boa qualidade, mas em qualquer papelaria é possível encontrar cadernos quadriculados simples, que as crianças usam para Matemática. © Lucilia Alencastro, 2019.

A arte têxtil de Anni Albers

Fonte da imagem: https://www.flickr.com/photos/103707855@N05/25650509411

Anni Albers foi uma artista nascida na Alemanha que se dedicou principalmente à arte têxtil. Ela iniciou seus estudos na Escola Bauhaus, onde conheceu o mestre Josef Albers, com quem se casou em 1925.

Josef Albers, pintor e professor, dedicou parte da sua vida aos estudos sobre a percepção cromática, dando ênfase na relação entre as cores.  Seus experimentos para estudar e ensinar cor, deram origem ao livro A Interação da Cor (Albers, Josef. A Interação da Cor. São Paulo: Martins Fontes, 2009) Sua obra mais conhecida é a série “Homenagem ao Quadrado”.

Entre as décadas de 1930 e 1940, o casal residiu no México e várias vezes estiveram em viagem por toda a América Latina de onde  Anni conseguiu grande parte da inspiração para seus trabalhos, ao estudar com profundidade a arte têxtil dos povos locais. O trabalho desses artistas pode ser visto no site: https://albersfoundation.org/