Projeto no papel quadriculado

Imaginar estampas é um processo infinitamente livre, porém se você, como eu, tem um interesse por motivos geométricos experimente a delícia de brincar com papel quadriculado. Pode funcionar como meditação, ou como um passa-tempo bem mais interessante do que fuçar abobrinhas no celular. Seu projeto pode ser depois digitalizado e transformado em algo viável. Foi com inspiração em trabalhos de Anni Albers, que citei no post anterior, que eu desenvolvi esta aqui. A pintura com marcadores tipo Copic, estão feitas de forma rápida, já que neste caso se trata de um rascunho. Caso queira fazer um bem caprichado, talvez seja melhor usar lápis de cor macio. O meu caderno comprei no site da Cícero, que tem capas com estampas de vários designers e papel de boa qualidade, mas em qualquer papelaria é possível encontrar cadernos quadriculados simples, que as crianças usam para Matemática. © Lucilia Alencastro, 2019.

A arte têxtil de Anni Albers

Fonte da imagem: https://www.flickr.com/photos/103707855@N05/25650509411

Anni Albers foi uma artista nascida na Alemanha que se dedicou principalmente à arte têxtil. Ela iniciou seus estudos na Escola Bauhaus, onde conheceu o mestre Josef Albers, com quem se casou em 1925.

Josef Albers, pintor e professor, dedicou parte da sua vida aos estudos sobre a percepção cromática, dando ênfase na relação entre as cores.  Seus experimentos para estudar e ensinar cor, deram origem ao livro A Interação da Cor (Albers, Josef. A Interação da Cor. São Paulo: Martins Fontes, 2009) Sua obra mais conhecida é a série “Homenagem ao Quadrado”.

Entre as décadas de 1930 e 1940, o casal residiu no México e várias vezes estiveram em viagem por toda a América Latina de onde  Anni conseguiu grande parte da inspiração para seus trabalhos, ao estudar com profundidade a arte têxtil dos povos locais. O trabalho desses artistas pode ser visto no site: https://albersfoundation.org/

Verão chegando e miçangas pra enfeitar

Entra verão, sai verão, mas ainda consigo me encantar com as pulseiras de micro teares e miçangas. Com essa técnica e suas variações são feitas bijuterias, bolsas e outros acessórios. Vai do gosto de quem faz, escolher as cores e desenhos. A era “hippie” já passou faz tempo, mas as pulseirinhas vem atravessando as gerações, sejam nos braços ou nos tornozelos, sempre lindas!
Fonte:https://www.etsy.com/listing/555307487/diamond-pattern-seed-bead-friendship?ref=related-1

Se quiser tem mais aqui: https://br.pinterest.com/pin/572097958905640790/

As superfícies na moda de Iris Van Herpen

Estilista de Amsterdam apresenta para a Fashion Week de Paris 2018, Syntopia: sua coleção de vestidos desenhados com inspiração em réplicas de penas e padrões das ondas sonoras de pássaros em vôo. O desfile é complementado com uma instalação de iluminação cinética feita pelo Studio Drift.

No site da estilista é possível ver mais imagens e videos dos desfiles e da confecção dos vestidos!

http://www.irisvanherpen.com/home

A Gramática do Ornamento


A Gramática do Ornamento é um livro emblemático no estudo de padrões e elementos decorativos. Produzido por Owen Jones, arquiteto londrino que viveu entre 1809-1874, é uma fonte de inspiração que chega até os dias de hoje. Recentemente a Editora Senac editou no Brasil um condensado deste livro e no link a seguir você pode ver algumas de suas páginas e ilustrações. http://www.thegrammarofornament.com/

Acervo de Estampas do Museu De Design Cooper Hewitt

O Museu de Design Cooper Hewitt, localizado em Nova York, nos EUA disponibilizou a digitalização de vários itens de seu acervo para consulta via internet. Entre as coleções, encontra-se a de Têxteis, onde tem-se além de estampas inspiradoras, também cadernos de anotações (notebooks) com composições de padronagens. https://collection.cooperhewitt.org/departments/35347501/