BYEPLASTIC Design e Sustentabilidade

A RatoRói é uma empresa de design, situada em Jaraguá do Sul, Sta. Catarina, que tem compromisso com a circularidade de materiais e a sustentabilidade. Eu os descobri no evento Inspira Mais, que por causa da pandemia, foi digital (Inspiramais)

Então, nesse post quero mostrar um pouco de um dos produtos que eles criam. É o BYEPLASTIC, um material 100% reciclado e reciclável, com o qual é possível criar peças de decoração, moda e papelaria. Trata-se de um laminado que ao ser produzido recupera em média 75 sacolas e embalagens plásticas por folha. Estas lâminas possuem espessura entre 0,3 a 1mm e podem ser usadas para criação de bolsas, casacos, luminárias, estojos, embalagens e muito mais.

O uso do BYEPLASTIC contribui para a sustentabilidade, uma vez que o plástico está entre os materiais mais descartados, sendo o Brasil um dos países onde acontece a maior quantidade desse descarte. A outra coisa importante é que o Studio RatoRoi, trabalha em parceria com catadores e pequenas empresas de reciclagem.

Do ponto de vista estético o material é elegante e sua aparência inusitada “acontece” de acordo com os pedaços de plásticos que o formam, trazendo cores e desenhos exclusivos.

Design de Superfície – Byeplastic – material criado pelo Studio RatoRói

Entre as peças feitas com o BYEPLASTIC destaca-se a luminária Corrupio, desenvolvida pelo designer cearense Érico Gondim, com desenho inspirado na brincadeira infantil que lhe dá o nome.

Luminária Corrupio - BYEPLASTIC - Design de Érico Gondim em parceria com a RatoRói
Luminária Corrupio – BYEPLASTIC – Design de Érico Gondim em parceria com a RatoRói

Outro projeto interessante são as máscaras desenvolvidas pela designer Flavia Amadeu em parceria com a RatoRói.

Máscaras de proteção para Covid com BYEPLASTIC- Design de Flávia Amadeu para a RatoRói
Máscaras de proteção para Covid com BYEPLASTIC- Design de Flávia Amadeu para a RatoRói

No instagram da RatoRói você poderá ver outros projetos. Acesse em  R A T O R Ó I (@ratoroi) • Fotos e vídeos do Instagram

Marimekko: quando a simplicidade faz história

A Marimekko nasceu em 1951, na Finlândia e ficou famosa pelos seus padrões de desenhos simples e cores fortes, imitados por muitos designers até hoje. A marca surgiu dentro de uma empresa de impressão em tecidos, a Printex.

Armi Ratia, esposa do dono da Printex, teve a ideia de produzir estampas que se destacassem do que existia na época e solicitou que jovens designers criassem padrões alegres e coloridos. Assim surgiu a Marimekko

A estampa mais conhecida quando se fala em Marimekko chama-se Unikko e foi criada por Maija Isola (1927/2001), designer que desenhou em torno de 500 padrões para a marca, durante 38 anos na empresa.

File:Maija-Isola-1966b.jpg - Wikimedia Commons
fonte: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maija-Isola-1966b.jpg

O logotipo, criado em 1954, demonstra a ideia de simplicidade da marca e continua o mesmo até agora, quando a empresa completa 70 anos.

Segundo o site da empresa, “a apresentação digital de Marimekko irá ao ar na quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021 às 14h CET na plataforma digital da Copenhagen Fashion Week: https://copenhagenfashionweek.com/ 

Nesse momento a Marimekko apresenta seu compromisso com o planeta e foi indicada como finalista do Prêmio Zalando de Sustentabilidade. O vencedor do prêmio será anunciado durante a Copenhagen Fashion Week, evento digital para o qual a marca preparou uma apresentação que mostrará sua trajetória e identidade reconhecida pelas gravuras de formas fortes e coloridas.

Fonte:
https://company.marimekko.com/en/about-marimekko/history/

Ciclo de Estudos e Práticas em Design de Superfície

Está acontecendo a partir de hoje, 13/01/2021 o CICLO DE ESTUDOS E PRÁTICAS EM DESIGN DE SUPERFÍCIE, promovido pela Universidade Federal de Santa Maria. O Evento é gratuito e transmitido pelo YouTube.

Assisti a ótima palestra desta manhã, com o professor Ricardo Rinaldi, que nos trouxe um panorama sobre Design de superfície apresentando, em resumo, três tipos de abordagens projetuais para DS: REPRESENTACIONAL, que “herda” técnicas de composição visual do campo geral do Design (conceitos de harmonia, contraste etc.) ESTRUTURAL, quando a superfície é a própria geradora do produto, como no exemplo da sandália Melissa, feita pelos Irmãos Campana, e RELACIONAL que leva em conta a relação do usuário com a superfície podendo, nesse caso, haver uma “resposta” ao contato do usuário, ao que o professor chamou de projetos de superfícies receptivas.

Esta forma de abordar o projeto de superfície foi anteriormente apresentado por SCHWARTZ (2008), conforme explicou o Professor Rinaldi. A pesquisadora citada, Ada Raquel Schwartz utiliza o termo”constitucional ” em vez de “estrutural”, pois situa a análise no que diz respeito mais à “materiais e aos procedimentos técnicos utilizados no processo de confecção de um produto”. Já o Professor Rinaldi complementa o assunto no sentido de que seja possível a compreensão da superfície como geradora do produto em si, ou seja, sendo ao mesmo tempo superfície e também a própria estrutura do objeto.

Fonte: SCHWARTZ, Ada Raquel. Design de Superfície: por uma visão projetual geométrica e tridimensional. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/89726 acesso em Janeiro, 2021

https://repositorio.unesp.br/handle/11449/89726

Superfície de latinhas

A loja de moda holandesa Daily Paper abriu uma filial em Manhattan, no EUA, e para o projeto da fachada foram usadas em torno de 14.00 latinhas de alumínio achatadas e pregadas em painéis.
A superfície da fachada foi planejada com referências de padrões africanos, dada a influência da origem dos criadores da marca, vindos da Somália, Marrocos e Gana.
Em contrapartida, o interior da loja é “clean”: todo branco, com amplos espaços e pouco mobiliário, onde apenas um mosaico de piso em forma circular, funciona como destaque visual.
A importância deste projeto está no fato de que cada vez mais designers e arquitetos tem procurado incorporar em suas obras materiais descartados de vários tipos.

Fonte: https://www.dezeen.com/2020/10/31/daily-paper-shop-interiors-new-york/

Os Cartemas de Aloísio Magalhães: a produção de padronagens com postais.

Cartema de aloísio Magalhães
Cartema da Série Brasileira
Fonte: ALT, João Carlos de Morais. Cartemas de Aloísio Magalhães. p.113. Disponível em: https://www.slideshare.net/designjohnson/cartemas Acesso em 26/11/2019

Aloísio Magalhães foi um designer brasileiro nascido em 05 de Novembro de 1927. Em 1998, em homenagem a ele, o presidente Fernando Henrique Cardoso assinou um decreto instituindo a data como Dia do Design Brasileiro. Embora tenha tido formação acadêmica em Direito, Aloísio se tornou mais importante por sua obra em Artes Plásticas e Design Gráfico. Ele foi responsável pelo desenho de muitos dos logotipos que conhecemos; desenho de notas do dinheiro brasileiro e também pela participação na fundação da primeira escola de nível superior de design do país, a ESDI, em 1963.

Aqui, como nosso interesse principal é design de superfície e o estudo de padronagens, vamos falar dos Cartemas de Aloísio.

Os Cartemas foram uma série de trabalhos de colagens de recortes de cartões postais sobre uma prancha, dispostos com uma lógica de repetição, exatamente como procedemos na execução de padronagens para qualquer finalidade. O nome Cartema, foi sugerido pelo filólogo Antônio Houaiss durante uma conversa com o próprio Aloísio, por volta de 1971, quando estes trabalhos seriam apresentados numa exposição no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

As técnicas de repetição de um módulo, que hoje fazemos com facilidade por meio dos de softwares, nos Cartemas eram feitas manualmente por meio de recorte e colagem. O importante é observarmos como as formas se transformam em novos desenhos quando são justapostas, refletidas, alternadas, etc. podendo gerar infinitas composições interessantes. Esses efeitos foram explorados com sabedoria pelo artista.

Os Cartemas de Aloísio podiam ser julgados como simples colagens, mas pelo fato de usarem cartões postais bastante conhecidos na época (… e era moda fazer coleção de postais!), acabavam gerando interesse pois, indo além da beleza da composição visual, também estabeleciam um vínculo de comunicação com o observador que tentava decifrar de qual postal saíra o fragmento que compunha a obra.
Fontes:

http://www.revistacliche.com.br/2012/11/aloisio-magalhaes/

http://michaelis.uol.com.br/busca?r=0&f=0&t=0&palavra=cartema

https://www.slideshare.net/designjohnson/cartemas

Estamparia com impressão botânica

A artista catarinense Nara Evangeline Guichon Ferrari obteve o 1º e 2º lugares na categoria Produtos Têxteis, no 33º Prêmio Museu da Casa Brasileira.
Os projetos de Nara são produzidos por técnicas artesanais. O 1º lugar, foi dado à Coleção Botânica, tecidos com padronagens geradas por impressão botânica, técnica que utiliza folhas, flores e corantes naturais para imprimir estampas.
https://mcb.org.br/pt/design_mcb/botanica/

Nara também recebeu o 2º lugar pelo projeto Mareando — têxteis criados artesanalmente a partir da reutilização de redes de pesca abandonadas no oceano.
https://mcb.org.br/pt/design_mcb/mareando/

A exposição de produtos premiados acontece em São Paulo:

33º Prêmio Design MCB
Exposição 23 /11/2019 a 08/03/2020
Local Museu da Casa Brasileira (MCB)
Visitação de terça a domingo, das 10h às 18h
Endereço Av. Brigadeiro Faria Lima, 2705, São Paulo, SP
Tel. 11 3032-3727

Fontes:

https://www.arcoweb.com.br/noticias/noticias/confira-o-resultado-do-33-premio-design-mcb

https://mcb.org.br/pt/design_mcb/abertura-da-exposicao-do-33o-premio-design/

Design de Superfície, repeat patterns e softwares

Como já foi dito em post anterior, quando falamos em Design de superfície, não obrigatoriamente estamos tratando de padronagens corridas. No entanto, a repetição de um módulo infinitamente — estampa corrida, como também é normalmente denominada — é a primeira lembrança que temos quando usamos o termo “Design de Superfície”.

Para criar Design de superfícies com motivos que se repetem infinitamente, é necessário estabelecer um módulo e um sistema de repetição. Nos casos mais simples a repetição é percebida, e o encaixe de um módulo no outro fica visível.

Porém, se precisamos fazer uma estampa corrida com desenhos mais complexos, o planejamento de encaixes é fundamental. Antes de existirem softwares, como Photoshop, Illustrator, Corel Draw, Gimp, Affinity e outros, esse planejamento era bastante trabalhoso e era útil desenhar sobre uma malha de quadrados, triângulos, ou outras figuras geométricas.

Recentemente comprei um livro que mostra detalhadamente como funcionavam essas malhas geométricas e a composição de padronagens sobre elas. Muito interessante! (dá uma olhadinha aqui: https://www.instagram.com/p/ByDMkKegXXc/ )

Agora a Adobe lançou um plugin para o Photoshop — O Adobe Textile — que é específico para o trabalho com padrões repetidos. Facilitará a vida de quem precisa produzir estampas rapidamente. Por outro lado, cada vez que o processo se torna mais fácil, também se torna mais massificado, com muitas estampas de baixa qualidade. Embora seja difícil definir o que é baixa ou alta qualidade, penso que o que irá diferenciar um bom projeto de estampa são estudos que acontecem fora do computador. Fundamental ter algum entendimento sobre composição visual e teoria das cores, além de outros “treinamentos” que podemos fazer apurando a observação para muito do que vemos no nosso dia a dia.

Experimentando o Zazzle

Tenho muitas estampas prontas e também artes antigas, feitas à mão, em lápis de cor, tinta acrílica ou nanquim. Resolvi aplicar nos produtos da Zazzle. A minha loja é a Sorvete Colore – Comecei com esta imagem, que é uma pintura em acrílica sobre tela de 60 x 80 cm. Achei que ficou bem bonita!

Design de Superfície não é apenas decorativo.

Em um projeto da escola de Arquitetura Bartlett, em Londres, pesquisadores desenvolveram um sistema de ladrilhos incrustados com algas capazes de filtrar elementos químicos e metais pesados da água. Além do objetivo prático, os projetistas não deixaram por menos a estética. A parede de ladrilhos é linda e se torna um elemento decorativo. Veja o artigo completo em:

https://www.dezeen.com/2019/09/21/bio-id-lab-indus-algae-tiles-water/?fbclid=IwAR1cFtBeBbU2LqV-9OLrc5yS17MLMI8SqYPNM4Jj8kKFULfsn7OPa7_okxY